Brasileirão 2023: 12ª Rodada

Athletico-PR 1×0 Corinthians

Como de costume, a Arena da Baixada estava lotada e fervorosa apoiando o Furacão em mais um confronto, dessa vez contra o irregular Corinthians que tenta de tudo pra chutar longe a má fase.

O Athletico entrou em campo com: Bento, Pedro Henrique, Thiago Heleno e Zé Ivaldo, Hkellven (Madson), Erick, Fernandinho (Hugo Moura) e Christian, Victor Bueno (Cuello), Cannobbio (Terans) e Vitor Roque (Arriagada).

Com a torcida empurrando o Athletico começou apertando e pressionando muito o Timão, em três minutos de jogo já tinham acontecido três chances de gol, a terceira a mais clara, após jogada da direita, a bola sobra na entrada da área para Vitor Bueno, o meia solta uma bomba que explode na trave de Cássio.

O Furacão continuava numa pressão insana, fazendo com que o Corinthians errasse muitos passes e colecionando boas chances, o Timão por sua vez tentava escapar com Roger Guedes, mas a defesa rubro-negra estava muito bem postada e atenta no jogo.

Após os 15 minutos da primeira etapa o Corinthians conseguiu diminuir um pouco o ímpeto do Athletico, principalmente fazendo faltas técnicas e conseguia trocar um pouco melhor a bola, mas nada com muita sustância a fim de atrapalhar o ótimo e promissor goleiro Bento que praticamente assistiu o jogo inteiro de camarote.

Aos 35 minutos, após boa jogada de Christian, o meia cruza a bola no segundo pau, Khellven muito esperto percebeu que não conseguiria o domínio e toca de cabeça para Vitor Roque, o jovem prodígio antecipa a chegada de Cássio e coloca a bola no fundo das redes 1×0 CAP. 9º gol de bola parada sofrido pelo Alvinegro no Brasileirão 2023.

Depois do gol o Timão tenta reagir, mas para na sólida defesa Athleticana, o Athletico por sua vez, muito calmo e disciplinado aproveitava bem os espaços e teve ainda duas chances desperdiçadas e um gol anulado pelo VAR, uma boa cabeçada de Vitor Bueno que toca no travessão e na linha, porém não entrou.

No segundo tempo o Corinthians teve uns 5 primeiros minutos para si, mas não conseguiu criar muitas chances de perigo, a partir daí o Athletico administrou bem o placar e ainda teve boas chances de ampliar o marcador, porém não aproveitou as chances.

O Athlético mais uma vez mostrou sua força em casa e diante de sua torcida, com a vitória pulou para a 9ª colocação, enquanto o Corinthians continua buscando uma sequencia de vitórias para escapar de vez da má fase, com a derrota o Timão em 15º lugar a apenas 1 ponto da zona da degola.

Foto: Gustavo Oliveira/athletico.com.br

Fluminense 2×1 Bahia

O Fluminense recebeu o Bahia no Maracanã e tinha como objetivo reencontrar o caminho das vitórias e do futebol que encantava o Brasil no começo da temporada 2023. A volta de Keno como titular e o ótimo jogo de Pirani e Lelê foram cruciais para a boa vitória do tricolor das laranjeiras.

O Fluminense veio com: Fábio, Samuel Xavier, Nino David Braz e Marcelo (Felipe Andrade), Martinelli, Lima e Gabriel Pirani (Guga), Arias, Lelê (Cano) e Keno (Ganso).

Já o Bahia entrou em campo com: Danilo Fernandes (Matheus Claus), Cicinho (André), Kanu, Vitor Hugo e Jhoanner Chávez, Acevedo, Rezende (Daniel), Kayky (Arthur Sales), Cauly e Thaciano, Vinícius Mingotti.

O Fluminense começou o jogo em uma rotação frenética, trocava muito bem a bola e quando a perdia aplicava pressão instantânea, até os 10 minutos de jogo teve pelo menos 4 chances para abrir o placar, principalmente pelo belo jogo que Keno, Arias, Pirani e Lelê vinham fazendo, dando muita dinâmica nos ataques tricolores.

Lelê aparecia muito bem nos espaços deixados pelo Bahia, o que surpreendeu, já que os fechou muito bem no jogo do meio de semana contra o Palmeiras. O lance mais perigoso até então foi um chute de Marcelo de dentro da área em que o meia Kayky tirou de cabeça a bola que rumava ao gol do Tricolor de Aço.

O gogo continuava do Flu, Lelê perdeu mais uma chance e Pirani deu lindo chute que passou riscando o travessão, já o Bahia tentava escapar pelos lados em contra-ataques, e foi num deles que quase abriu o placar com Cicinho, que foi achado por belo cruzamento longo de Thaciano pela esquerda, o lateral direito recebeu pelo lado direito e de cara pro gol soltou uma bomba para fora.

O FLu tentava abrir o placar de toda maneira, mas pecava nas finalizações, mas parecia que acharia em qualquer momento o caminho do gol, mas quem achou primeiro foi o Bahia, após belo contra-ataque puxado pela esquerda, Kayky arranca e acerta ótimo cruzamento para Mingotti que chegou fechando no segundo pau e de primeira chutou pro fundo das redes, 1×0 Bahia.

Quase no lance seguinte do gol do Bahia o zagueiro Nino dá entrada fortíssima por trás na panturrilha do autor do gol Mingotti, o árbitro prontamente para o jogo e adverte o zagueirão tricolor com amarelo, porém o VAR recomenda a revisão e o arbitro reforma sua decisão, Nino expulso e Nense com um a menos.

O segundo tempo começa com o Fluminense tentando achar o ímpeto que tinha até o gol do Bahia, agora mais difícil pois estava com um a menos, mas não é que o Flu conseguiu… Logo aos 3 minutos do segundo tempo Samuel Xavier joga uma bola meio despretensiosa para a área, Cicinho vai afastar, mas pega mal na bola, que se apresenta pro artilheiro Lelê que não perdoa e de cabeça marca, 1×1 e o Maracanã vai a loucura.

O Flu estava com tudo, subiu suas linhas e mantinha a pressão e jogando apenas no campo do Bahia e a virada veio quase imediatamente, David Braz acha ótimo passe pelo meio para Pirani, o garoto toca para Keno e ataca a área, Keno devolve e Pirani finaliza com classe para a virada do Flu.

O Jogo da uma esfriada até os 30 minutos, quando o Flu após ótimo contra-ataque consegue voa finalização com Lelê e no rebate Pirani coloca no travessão, 5 minutos depois o Bahia assusta com bela bola enfiada de Daniel para Chávez, o lateral invade a área pela esquerda e solta uma bomba na direção de Fábio, que agarra a bola com segurança.

No lance seguinte o Bahia consegue fazer com que a bola ficasse um bom tempo rondando a área do Nense, até que ela Sobra livre para Mingotti que solta uma bomba de esquerda para o milagre de Fábio, que faz defesa maravilhosa com os pés para garantir a vitória do Tricolor das Laranjeiras. Que jogão tivemos na noite de sábado no Maracanã.

O Flu reencontrou o bom futebol e com a vitória subiu para a 5ª colocação, enquanto o Bahia se manteve na 14ª colocação.

Foto: Fluminense

Fortaleza 2×1 Atlético-MG

Fortaleza vence no Castelão e ultrapassa Atlético-MG na tabela.

O Fortaleza começou com: João Ricardo; Tinga; Marcelo Benevenuto; Titi; Bruno Pacheco; Caio Alexandre, Hércules (Lucas Sasha); Yago Pikachu, Pochettino (Calebe), Thiago Galhardo (Guilherme) e Lucero (Lucas Crispim).

Já o Atlético-MG iniciou com: Everson; Saravia, Bruno Fuchs (Igor Rabello), Jemerson, Guilherme Arana; Battaglia; Zaracho (Igor Gomes), Hyoran (Edenílson); Pavón (Vargas), Hulk (Alan Kardec) e Paulinho.

Na primeira etapa, a partida foi morna, sem qualquer oportunidade clara, contudo nos primeiros minutos da segunda etapa Hulk teve duas chances, exigindo boas defesas de João Ricardo.

Aos 8 minutos, foi o Fortaleza que abriu o placar, Thiago Galhardo cruzou rasteiro, Jemerson desviou, a bola subiu e Pochettino ganhou a disputa no alto de Saravia, marcando o primeiro gol da partida.

O Fortaleza ampliou aos 16 minutos, Bruno Pacheco cobrou falta na área, Titi escorou pro meio e Tinga pegou de primeira, marcando o segundo do Leão do Pici.

O Atlético tentou a reação e chegou a diminuir aos 41 minutos. Após a sobra do escanteio, Edenílson bateu e Alan Kardec desviou na pequena área, dando números finais ao jogo.

Com a vitória o Fortaleza sobe para a 8ª posição, enquanto o Galo fica na 10ª colocação.

 (foto: Pedro Souza/Atlético)

(foto: Pedro Souza/Atlético)

Cruzeiro 1×0 São Paulo

Cruzeiro vence com gol contra de Rafinha no Independência.

Cruzeiro: Rafael; William, L. Oliveira, Reynaldo (Neris), Marlon; Jussa, F. Machado (Ian Lucas), M. Vital (Neto Moura); Wesley (Stênio), B. Rodrigues, Gilberto (Henrique Dourado).

São Paulo: Rafael; Rafinha, Arboleda, Beraldo e Caio Paulista (Marcos Paulo); Pablo Maia, J. Méndez (David), Rodrigo Nestor (Rodriguinho); Wellington Rato (Juan), Alisson (Luciano) e Calleri.

No início da partida, logo aos 3 minutos, o Cruzeiro abriu o placar. Willian cruzou pela direita e Rafinha tentou o corte, mas mandou contra o próprio gol.

O São Paulo teve uma chance impressionante aos 35 minutos. Rafael Cabral defendeu cabeçada de Calleri no contrapé e no rebote pegou o chute de Nestor.

Aos 43 minutos o goleiro Cruzeirense brilhou mais uma vez. Rato fez bela jogada pela direita, puxou para o meio e finalizou. A bola desviou na zaga do Cruzeiro e Rafael Cabral, com muito reflexo voltou a tempo para impedir o gol do Tricolor.

Na segunda etapa, o São Paulo continuou em cima e, aos 5 minutos, quase marcou. Caio Paulista cruzou, Calleri cabeceou e o goleiro do Cruzeiro salvou novamente.

O Tricolor continuou pressionando, mas não conseguiu superar Rafael Cabral, e o jogo terminou 1×0.

Com a vitória, o Cruzeiro volta a vencer depois de 7 jogos no Brasileirão e sobe e ocupa a 12ª posição, enquanto o São Paulo fica na 11ª colocação.

Rafinha marca gol contra na partida contra o Cruzeiro

Foto: Iconsport

Grêmio 5×1 Coritiba

Grêmio goleia Coritiba e se torna o vice-líder.

O Grêmio entrou em campo com: Gabriel Grando; João Pedro, Bruno Uvini, Kannemann, Reinaldo (Cuiabano); Villasanti, Carballo, Bitello, Cristaldo (Nathan), Vina (Bruno Alves); Luis Suárez (André).

O Coritiba iniciou com: Gabriel; Jean Pedroso, Kuscevic, Bruno Viana; Natanael, Andrey (Matheus Bianqui), Bruno Gomes, Marcelino Moreno (Boschilia), Jamerson; Alef Manga, Zé Roberto (Rodrigo Pinho).

No início do jogo o Coritiba era a equipe que criava as melhores oportunidades, exigindo boas defesas de Gabriel Grando nas tentativas de Marcelino Moreno e Natanael.

Aos 30 minutos, Reinaldo chutou e a bola desviou no braço de Natanael, assim, depois de revisão no VAR o ártbitro assinalou o pênalti. Na cobrança, Cristaldo mandou uma bomba no meio do gol para abrir o placar para os Gremistas.

O Coxa reagiu, e aos 40 minutos, Alef Manga fez bela jogada, bateu colocado da entrada da área para igualar o placar.

O Grêmio voltou a ficar na frente no início da segunda etapa, aos 2 minutos, Suárez cruzou e Villasanti marcou de cabeça.

O Imortal marcou seu terceiro gol aos 8 minutos, a partir de cobrança curta de escanteio. Bitello recebeu de João Pedro e bateu colocado para mais um gol.

Aos 20 minutos, Reinaldo cobrou falta rapidamente e lançou Suárez, o uruguaio protegeu e bateu no canto de Gabriel, marcando o quarto gol do Grêmio.

Por fim, André recebeu na esquerda, arrancou e tentou o cruzamento. Ninguém tocou na bola e ela entrou pro fundo das redes.

Com a goleada, o Grêmio é o novo vice-líder do Brasileirão, enquanto o Coxa se mantém na lanterna.

Suárez comemora gol marcado contra o Coritiba

Foto: Maxi Franzoi/Agif/Gazeta Press

Palmeiras 0x1 Botafogo

Com quase 40 mil espectadores no Allianz Parque lotado o Palmeiras recebeu o Botafogo para um dos jogos mais importantes do Brasileirão 2023, afinal até o momento era o líder contra o vice líder. Era a chance do Verdão encostar ou do Fogão se isolar ainda mais na ponta da tabela.

O Palmeiras entrou em campo com: Weverton, Mayke (Endrick), Luan, Gustavo Gómez e Piquerez, Zé Rafael, Richard Ríos (Flaco López) e Raphael Veiga (Jhon Jhon), Artur (Luis Guilherme), Rony e Dudu (Bruno Tabata).

Já o Botafogo veio com: Lucas Perri, Rafael (Di Placido) Adryelson, Victor Cuesta e Hugo, Marlon Freitras, Tchê Tchê (Danilo Barbosa) e Edurado, Júnior Santos (Segovia), Tiquinho Soares (Mathes Nascimento) e Victor Sá (Luis Henrique).

O Jogo começou com as equipes se estudando, e o Palmeiras tentando romper a sólida defesa do Botafogo pelos lados do campo, o que não foi possível devido a ótima partida dos laterais Rafael (acompanhou Dudu em todas as jogadas) e Hugo, bem como a ótima recomposição que faziam os três homens de meio do Bota.

Mesmo assim o Palmeiras tentava e de certa forma conseguia chegar, mas pecava muito no último toque, sendo difícil a bola chegar redonda para acontecer as finalizações. O fogão por sua vez fazia um jogo muito pragmático e bem pensado, marcava muito forte com duas linhas sólidas de 4, geralmente em linha baixa, mas fazia a aproximação dessas duas linhas povoando muito bem o centro do campo, fazendo com que o Palmeiras não conseguisse jogar neste setor.

Prova disso foi o jogo bem abaixo de Raphael Veiga e Richard Ríos, os que, supostamente seriam responsáveis pela criação de jogadas pelo meio.

O Botafogo então recuperava as bolas e tentava sair no contra-ataque, mas a zaga Palmeirense também estava sólida, dando poucas chances de finalização para o Fogão no 1º tempo, até que aos 27 minutos depois de cobrança de falta, Zé Rafael tenta afastar de cabeça, mas a bola cai no pé do Artilheiro, Tiquinho domina cortando para a esquerda e solta chute rasante cruzado, Weverton ainda encosta na bola, mas não é o suficiente para impedir o gol alvinegro, 11×0 Fogão.

Na sequencia do primeiro tempo o Palestra parecia melhor, e conseguia criar boas jogadas de ultrapassagem pelos lados, principalmente pelo direito, aos 30 minutos Artur recebe a bola pela direita invade a área e acha Raphael Veiga entrando sozinho, o meia ataca a bola com um carrinho, mas a bola sai sem força para a defesa de Lucas Perri.

O Palmeiras continuava tentando, até que aos 39 minutos, Veiga cobra falta dentro da área, a bola sobra pra Zé Rafael que acha Ríos, o colombiano cruza a bola com efeito para dentro da área, e acha Gómez que de peixinho coloca no fundo das redes, porém a alegria alviverde dura pouco, checagem de impedimento pelo VAR, linhas traçadas milimetricamente, pareciam estar na mesma linha, mas o VAR não considerou isso e deu impedimento.

A partir daí parece que o Palmeiras perdeu um pouco do ímpeto, enquanto o Botafogo ganhou mais moral para marcar forte e sair em contra-ataque.

O Segundo tempo começou com o Palmeiras agredindo mais, porém sem muita coordenação, enquanto o Fogão continuava pragmático e muito sólido, a entrada de Segovia no Lugar de Junior Santos no intervalo, foi essencial para que o Fogão começasse a acertar mais os contra-ataques, inclusive perdeu dois gols na cara após boas saídas pela direita com o baixinho Segovia.

O Palmeiras por sua vez tentava, tentava e nada, até que aos 36 do segundo tempo Flaco López é empurrado dentro da área, pênalti pro Verdão, claro que é ele que vaia para a bola, um dos melhores cobradores da história, Raphael Veiga, o Palmeirense corre para a bola e chuta estranho, meio de trivela para fora, irreconhecível, foi Veiga mesmo que cobrou esse pênalti?

Com o erro o Palmeiras praticamente jogou fora a chance de empatar ou até virar o jogo, ainda assim tentou muito até o apito final, o garoto Luis Guilherme entrou muito bem pela direita e tentava fazer a diferença, mas não foi possível.

Com a derrota o Verdão viu o Botafogo ficar 8 pontos em sua frente e de quebra ainda perdeu duas posições na classificação com as vitórias de Grêmio e Flamengo, ficando assim na 4ª colocação do Brasileirão 2023, já o Botafogo é só alegria, mais líder do que nunca, agora com uma vantagem de 7 pontos para o segundo colocado.

Foto: Vítor Silva/Botafogo

América-MG 1×2 Internacional

Internacional vira sobre o América-MG no Independência.

O América-MG entrou em campo com: Matheus Cavichioli; Marcinho; Wanderson; Iago Maidana; Danilo Avelar; Lucas Kal (Emmanuel Martínez); Juninho, Breno (Benítez); Everaldo (Alê), Aloísio (Wellington Paulista) e Felipe Azevedo (Rodrigo Varanda).

Enquanto o Internacional iniciou com: John Victor; Igor Gomes; Rodrigo Moledo; Nicolás Hernández; Renê; Rômulo; Johnny, Pedro Henrique (Alemão); Jean Dias, Luiz Adriano (Gustavo Campanharo) e Wanderson (Thauan Lara).

O América começou melhor a partida e teve a primeira chance com Felipe Azevedo, que bateu de fora da área para defesa de John. Aos 18 minutos, Aloísio cobrou a falta, a bola desviou na barreira, Everaldo disputou com Jean Dias e ela sobrou para Juninho, bateu no cantinho para abrir o placar.

O empate Colorado veio aos 17 minutos da segunda etapa, Wanderson cruzou, Johnny tocou para Jean Dias, sozinho, marcar de letra.

Aos 23 minutos, Marcinho tentou cruzamento da direita, mas surpreendeu John e quase marcou o gol. O Inter respondeu no chute da entrada da área de Wanderson, que passou perto da trave.

A virada do Inter veio aos 39 minutos, Wanderson tocou para Alemão, que ganhou na velocidade de Marcinho e bateu rasteiro cruzado para vencer Cavichioli e dar números finais para partida.

Com a vitória, o Inter sobe para 6ª posição, enquanto o Coelho fica na 19ª colocação.

Bragantino 2×0 Goiás

Bragantino vence Goiás com tranquilidade no Nabizão.

O Bragantino entrou em campo com: Cleiton; Eduardo, Luan Patrick, Juninho Capixaba (Jhonny) e Jadsom (Aderlan); Matheus Fernandes (Nathan), Lucas Evangelista e Eric Ramires (Gustavinho); Sorriso, Vitinho e Sasha (Thiago Borbas).

Já o Goiás iniciou com: Tadeu; Maguinho (Bruno Santos), Lucas Halter, Bruno Melo e Sander; Zé Ricardo, Morelli (Dodô) e Guilherme; Palacios (Alesson), Matheus Peixoto (Lucão) e Apodi (Matheusinho).

Nos primeiros minutos da partida, o Braga assustou com Sasha, exigindo defesa de Tadeu e Eduardo Santos, que acertou o travessão.

Após vacilo na saída de bola do Goiás, Ramires acionou Sasha, que bateu colocado, no ângulo, colocando o Massa Bruta na frente, abrindo o placar aos 6 minutos.

Aos 29 minutos, Sasha recebeu dentro da área de Ramires e acertou o travessão. Só dava Bragantino e o segundo gol foi marcado nos acréscimos da primeira etapa, Vitinho driblou no lado esquerdo e cruzou rasteiro para Sorriso completar do outro lado da área.

Na segunda etapa, o Braga continuava melhor, enquanto o Goiás pouco fazia. Assim, os mandantes levavam perigo nos chutes de média distância de Lucas Evangelista e o jogo terminou 2×0.

Com a vitória o Bragantino ocupa a 7ª colocação, já o Goiás fica na 18ª posição.

Sasha deixou sua marca na partida

Foto: Ari Ferreira / RBB / Divulgação CP

Santos 2×3 Flamengo

Em jogo de 5 gols, numa Vila Belmiro sem público, o Flamengo vence o Santos e afunda ainda mais o peixe.

O Santos veio escalado com seu time titular, sendo: João Paulo; João Lucas, Messias, Joaquim e Gabriel Inocêncio; Rodrigo Fernández, Dodi e Lucas Lima; Mendoza, Soteldo e Marcos Leonardo

Já o Mengão veio à campo com:  Matheus Cunha; Wesley, Fabrício Bruno, Léo Pereira, Ayrton Lucas; Erick Pulgar, Thiago Maia, Gerson, Everton Ribeiro (Cebolinha), Arrascaeta e Gabi (Pedro).

O jogo teve início com certo domínio pelo Flamengo. Era nítido o desconforto dos jogadores do Santos, atuando sob muita pressão, ainda que a torcida não estivesse presente no estádio.

Ademais, o Flamengo era outro time quando comparado à rodada anterior, quando foi infinitamente inferior à equipe do Red Bull Bragantino, perdendo por 4×0, placar considerado modesto, sobretudo quando vemos as oportunidades criadas pelo time do interior paulista.

De todo modo, o Flamengo imprimiu seu estilo de jogo, com uma marcação alta e alto volume de jogo.

A zaga do Santos, que há algum tempo não vem fazendo boas atuações, não conseguiu afastar bola alçada na área no minuto 22, que na dividida sobrou limpa para Everton Cebolinha encher o pé e abrir o placar.

Surpreendentemente, o Santos cresceu na adversidade, e mesmo atrás do placar, buscou se fechar e sair em velocidade nos contra ataques.

Desta maneira, Marcos Leonardo lança Soteldo em condições, que sai no mano a mano. Embora pudesse finalizar, fez belo passe para Speedy Mendoza aparecer na segunda trave e empatar aos 40 minutos.

No segundo tempo, logo no início, aos 50’, Gerson faz um cruzamento primoroso, que encontra Everton Ribeiro, que com 1,74m, sobe entre a linha de defesa do Santos e marca o gol.

A reação santista foi imediata, dois minutos após o gol, Lucas Lima cobra falta, Messias desvia e Rodrigo Fernandez completa o rebote do goleiro flamenguista.

Apesar da capacidade de reação do Santos, o jogo demonstrava que nos momentos em que o Flamengo decidia impor um ritmo mais forte, a defesa do alvinegro seria facilmente quebrada, e foi o que aconteceu.

Cinco minutos após o gol do Santos, aos 57’, Pulgar recebe dentro da área, completamente livre de marcação e chuta no canto, sem chances para João Paulo.

O Santos até teve chances de empatar, bem como o Flamengo pôde aumentar, mas o jogo acabou assim. 

O Santos está na 13a posição, sem ganhar há incríveis 10 jogos. Joga contra o Blooming no meio semana pela Sudamericana, mas o jogo não vale absolutamente nada, já que ambos já estão eliminados da competição.

Já o Flamengo saltou para a 3a posição e se recupera da derrota brutal sofrida no jogo anterior.

O Mengão joga no meio de semana contra o Aucas, no Maracanã. Um empate assegura sua classificação para a fase seguinte da Copa Libertadores.

Brasileirão Sem torcida na Vila, Flamengo vence Santos com resultado 'bailarino' e afunda Peixe na crise - Lado de Cá - Seu portal de notícias

(Foto: Jota Erre/Photo Premium/Gazeta Press)

Vasco 1×0 Cuiabá

Vasco leva a melhor sobre o Cuiabá e volta a vencer depois de 10 jogos.

O Vasco entrou em campo com: Léo Jardim; Pumita Rodríguez, Robson, Léo e Lucas Piton; Jair, Marlon Gomes (Zé Gabriel) e Alex Teixeira (Eguinaldo); Gabriel Pec (Paulo Henrique), Rayan (Erick Marcus) e Figueiredo (Galarza).

Cuiabá: Walter; Raniele, Alan Empereur, Marllon e Rikelme (PK); Fernando Sobral (Ceppelini), Filipe Augusto (Ronald) e Denilson; Jonathan Cafú (Isidro Pitta), Welington Silva (Nicolás Quagliata) e Deyverson.

O jogo foi de fraco nível técnico, com poucas chances de perigo, principalmente na primeira etapa. Primeiramente, logo aos 2 minutos, Rikelme cortou a marcação pela esquerda, mas bateu no meio do gol, sem dificuldades para Léo Jardim. No minuto seguinte, Figueiredo recebeu cruzamento de Lucas Piton pelo lado esquerdo, dominou e finalizou forte, mas a bola foi à direita do gol defendido por Walter.

Nos acréscimos da primeira etapa, o Vasco criou boa jogada, que passou por diversos jogadores, no fim Jair tocou para Pec na área, que bateu, mas a bola desviou na zaga e foi pra fora.

No segundo tempo, o Vasco voltou melhor e Alex Teixeira perdeu uma chance incrível aos 4 minutos, pois recebeu cruzamento rasteiro de Gabriel Pec, na pequena área, mas mandou pra fora.

Aos 27 minutos veio o pênalti que definiu a partida, Figueiredo foi derrubado dentro da área, após pisão de Raniele. O árbitro não marcou o lance, mas foi chamado na cabine do VAR e mudou de ideia. Na cobrança, Jair bateu no ângulo com categoria, para abrir o placar.

Com a vitória o Vasco sobe para 19ª posição, enquanto o Cuiabá fica em 16ª colocação.

Tabela Brasileirão

Classificação da 12ª rodada da Série A

Foto: Globoesporte

Siga-nos nas redes sociais para ficar por dentro das novidades do futebol estrangeiroInstagramFacebook e Twitter.

Escrito por Henry Miller, Vitor Miller e João Felipe Miller.

Artigos Mais Recentes
Tags: Brasileirão

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir