Luigi Riva: Trovão Estrondo

luigi riva

Era 1º de fevereiro de 1976, em um domingo frio no Sant’Elia de Cagliari, jogava-se Cagliari-Milan. Aos 6 minutos do segundo tempo, o jogador com a camisa 11 do Rossoblù corre atrás da bola em direção à bandeira, para e grita de dor na perna direita. É o momento em que termina a carreira do maior atacante que o futebol italiano já teve: Gigi Riva.

O começo

Luigi Riva conhecido como Gigi nasceu em Leggiuno na província de Varese em 7/11/1944 de uma família pobre e desde criança teve que enfrentar grandes dificuldades. Aos nove, a perda do pai, aos dezessete, a da mãe. Aos dez anos foi morar em um colégio interno e aos treze foi trabalhar em uma fábrica. Ele cresce sob a orientação de sua irmã mais velha, Fausta, que o acompanhará por toda a vida. Depois de tantos anos, referindo-se a este período difícil, ele disse:

“Do futebol tirei tudo, mas abriria mão de parte para corrigir a minha infância.”

Dessas palavras entendemos a grandeza do personagem, feito de sentimentos profundos ao relembrar seus pais e sua infância sofrida.

No futebol, deu os primeiros passos em Legnano onde aos dezessete anos chegou para jogar na Série C. Foi convocado para a seleção e em partida no estádio Flaminio, em Roma, o vice-presidente do Cagliari , Andrea Arrica, o notou e convenceu seu clube a comprá-lo por cerca de trinta e sete milhões de liras. Sobre a transferência para o Cagliari, que jogava na Série B, Riva disse: “Quando soube da transferência, tive medo porque nunca havia saído da província de Varese e até ir para uma ilha também me levou a pensar em não aceitar, em fim meu treinador que me acompanhou a Cagliari com minha irmã Fausta.”.

Sucessos no Cagliari e na seleção

riva che segna di testa con un tuffo

Chegado ao Cagliari em 1963 com 19 anos, o primeiro pensamento de Riva era fazer um bom campeonato na Série B e depois de um ano voltar o mais próximo possível do Varese. Naquela temporada, o Cagliari conquistou o campeonato e chegando à Série A, estava convencido de que poderia ficar na Sardenha por mais alguns anos.

Começa o campeonato da Série A e Riva marca o primeiro gol de uma longa série (ao final da carreira serão 156) contra a Sampdoria no estádio Amsicora, que também será o palco onde o Cagliari conquistará o Scudetto em 1970. Começando desse campeonato, Riva marcará uma série de gols que o levarão a ser o artilheiro da primeira divisão por três vezes. Sobre o significado do gol, Riva disse:

“Os gols fazem você viver bem a semana, é bom quando seus companheiros vêm e te abraçam depois que você marcou”

Mais tarde também chegou à seleção onde marcou 35 gols em 42 jogos, recorde até hoje invicto, que o tornam o maior artilheiro de todos os tempos da seleção italiana. A nível de clubes, ele venceu o campeonato 69/70, tornando-se também o artilheiro daquela temporada. Seis jogadores jogaram naquele lendário time rossoblù (Albertosi, Cera, Niccolai, Domenghini, Gori e Riva) que então foram protagonistas da Copa do Mundo de 1970 na Cidade do México.

O campeão Cagliari jogou com: Albertosi, Martiradonna, Zignoli, Cera, Niccolai, Tomasini, Domenghini, Nenè, Gori, Greatti e Riva. Pela seleção conquistou o Campeonato Europeu de 1968, onde marcou na final contra a Iugoslávia e foi vice-campeão mundial em 1970, no México. Ele terminou em segundo lugar na corrida Ballon d’Or atrás de Gianni Rivera em 1969, por apenas quatro votos de diferença.

Jogo do coração

i giocatori del Cagliari che vinsero il campionato

Há uma partida no coração de Riva, que ficou gravada em suas memórias e nas dos torcedores do Cagliari e de todos os sardos. Em 15 de março de 1970, Juventus-Cagliari foi disputado em Torino, um desafio entre o primeiro e o segundo colocado na classificação separados por dois pontos. Em um domingo chuvoso diante de 60.000 espectadores, o árbitro Concetto Lo Bello, do Siracusa, que junto com Riva foi o protagonista absoluto da partida.

No primeiro tempo a Juventus abriu o placar com um gol contra de Comunardo Niccolai, zagueiro rossoblu, e ainda no final do mesmo tempo Riva empatou com um gol acrobático, após cobrança de escanteio da direita. Mas foi no segundo tempo que tudo aconteceu, com Lo Bello quem decidiu ser o protagonista. A meio da parte concedeu uma grande penalidade à Juventus, muito duvidosa disputada pelo Cagliari.

Anastasi cobrou o pênalti e Albertosi defendeu, mas Lo Bello interveio e mandou repetir. Haller foi até o local e marcou. Nesse momento todos os jogadores do Cagliari, tomados pelo desespero, cercaram Lo Bello e Riva disse-lhe: “Diga-me o que tenho a dizer para me expulsar” o árbitro siracusano respondeu: “Pense em jogar”.

A partida recomeçou e a 10 minutos do final, em cobrança de falta de Cera a bola chegou a Riva, um zagueiro empurrou e Lo Bello marcou o pênalti para o Cagliari com grandes protestos dos jogadores da Juventus, o árbitro não quis ouvir razões. Riva foi ao local e teve o destino do campeonato e da história do Cagliari.

Enrico Ameri, grande comentarista de rádio do Tutto il calcio minuto a minuto, assim descreveu este pênalti: “Riva começa, Anzolin defende, mas a bola vai para a rede!”. Os adeptos do Cagliari foram do inferno ao céu em 3/4 segundos, porque aquele golo significou, 90% das vezes, a conquista do título de campeão italiano. Após a exultação, Riva aproximou-se de Lo Bello e perguntou-lhe: “E se eu tivesse cometido um erro?”, O grande árbitro siciliano respondeu: “Eu teria repetido”.

Nas histórias de Riva este foi o gol mais importante para sua história e para a do Cagliari.

Lesões e Gols

gol di riva in rovesciata in Vicenza Cagliari

Na seleção sofreu duas lesões gravíssimas. A primeira no Prater em Viena na Áustria-Itália, a segunda no Estádio Olímpico de Roma na Itália-Portugal. Também por isso é lembrado por seu grande apego à camisa azul e a esse respeito Riva afirma:

“Quando você veste a camisa azul, ela gruda tanto em você que se torna uma segunda pele.”

São muitos gols espetaculares feitos de força e técnica que fazem os torcedores do Cagliari e da seleção se lembrarem de Riva. No rossoblù gostamos de recordar três golos: o primeiro em Vicenza-Cagliari na temporada 1969/70, em que marcou com um espectacular pontapé de bicicleta, tanto que o grande comentador de rádio Sandro Ciotti disse: “Riva arqueia para o céu com um chute de bicicleta e a bola vai para a rede.”

A segunda no Cagliari-Bari em 12 de abril de 1970, partida que consagrou o Cagliari como campeão da Itália, onde marcou de cabeça em mergulho após cruzamento de Brugnera. O terceiro contra o Inter em San Siro em 1970 com um forte chute corrido da esquerda e de onde nasceu a definição que o jornalista Gianni Brera lhe deu: “Pela força com que Riva bateu na bola parece ouvir um trovão. “.

Na seleção nacional, três gols espetaculares devem ser lembrados: o primeiro na Itália x Alemanha Oriental, em Nápoles, com um mergulho de cisne após cruzamento de Domenghini. O segundo na final do Campeonato Europeu de 1968 na Itália-Iugoslávia onde fez o primeiro gol com um chute forte e preciso da entrada da área. O terceiro na lendária semifinal Itália-Alemanha 4 a 3, onde fez o gol de 3 a 2 com classe e força que o grande comentarista Nando Martellini assim descreveu:

gol di riva in italia Germania 4 a 3

“Riva controla a bola na entrada da área, RIVA, RIVA, RIVA CHEGA E A BOLA VAI PARA A REDE!”

Êxtase total para os fãs italianos

Vale lembrar que naquele mundial Riva foi considerada a estrela junto com Pelé.

Anexo a um terreno

Quando Riva chegou à Sardenha, pensou que ficaria no Cagliari apenas um ano. Mas o destino reservou que ele fosse adotado não só por uma cidade, mas por toda uma região. A Sardenha naquela época certamente não era considerada um paraíso de férias, mas uma terra estéril de pastores e isolada de todos. Em vez disso, Riva encontrou nesta terra pessoas reservadas e tímidas como ele e o ambiente ideal para aprimorar suas qualidades dentro e fora do campo. E é por isso que ele nunca deixou a Sardenha e Cagliari.

O que aconteceu nessas temporadas em que Riva foi a protagonista foi emblemático. Sob pressão do advogado Agnelli, a Juventus tentou conquistá-lo de todas as formas, oferecendo sete de seus jogadores ao Cagliari em uma temporada em troca de sua chegada a Torino e um grande contrato em Riva. Cagliari aceitou a oferta, mas Riva recusou e depois disse:

“Não me pareceu certo abandonar uma terra e um povo que me adoptou, que me deu um lar e me fez sentir da família e por isso não os posso trair.”

A Juventus poderia comprar tudo e todos com seu poder através da Fiat, exceto Gigi Riva.

Depois do futebol

Após a atividade competitiva, Riva permaneceu como gerente do Cagliari até se tornar presidente por alguns anos. Após essa aventura, ele começou a trabalhar como colunista da Rai e mais tarde tornou-se gerente de equipe da seleção italiana. E mesmo nesta posição conseguiu deixar a sua marca, tornando-se a referência dos Azzurri durante mais de vinte anos em vitórias e derrotas.

Como esquecer que foi ele quem consolou Franco Baresi que chorava em seu ombro após a derrota nos pênaltis para o Brasil na Copa do Mundo de 1994. Ou como defendeu os jogadores da Juventus, convocados para a seleção, por ocasião do a Copa do Mundo de 2006 após a eclosão do escândalo envolvendo a própria Juventus e outras equipes. Tanto que o time de Turim foi rebaixado para a Série B.

Ou como se comportou ao retornar à Itália após o triunfo na Alemanha em que ordenou ao motorista do ônibus que levava os Azzurri rumo ao centro de Roma para as comemorações que o deixasse descer, pois havia visto personagens da equipe que já havia criticado a seleção nacional e, metaforicamente, eles queriam entrar na onda. Ele não quis se misturar com esses personagens e mais uma vez demonstrou sua personalidade e franqueza.

Hoje

Depois de sua atividade como chefe de equipe, Riva retirou-se para sua terra natal, Cagliari, cercado pelo carinho de seus entes queridos e de um povo que o venera e respeita como quando ele jogava. Você pode encontrá-lo em sua caminhada diária pelas ruas do centro de Cagliari, sempre disponível e gentil.

Como definir a história de uma personagem única e rara do futebol italiano como Gigi Riva? Ele amava um pequeno time provincial para trazê-lo para o Olimpo do futebol italiano. Ele adorava uma camisa azul e a considerava uma segunda pele. Ele amava uma ilha e seu povo que o adotou.

Tudo pode ser comprado, mas não Gigi Riva, o lendário Trovão Estrondo.

Siga-nos nas redes sociais para ficar por dentro dos próximos lançamentos da seção ProtagonistasInstagram, Facebook e Twitter.

Artigos Mais Recentes
Tags: Em evidência, Jogadores

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir