Os sistemas brasileiro e italiano de futebol

Os sistemas brasileiro e italiano de futebol Today, we will see the difference between the Brazilian and Italian football systems I sistemi di calcio brasiliano e italiano

Tendemos a acreditar que o funcionamento do futebol é igual em todo o mundo. Hoje veremos a diferença entre os sistemas brasileiro e italiano de futebol.

Diferenças entre os sistemas brasileiro e italiano de futebol

No Brasil

Especial: elite do futebol brasileiro piora nas finanças em 2020, e dívidas dos principais clubes chegam a quase R$ 11 bilhões | blog do rodrigo capelo | ge

Imagem: Reprodução GE

Em solo brasileiro é difícil conseguir diferenciar propriamente jogadores profissionais de jogadores amadores.

Diversas pequenas equipes contam com atletas que não tem o futebol como sua única ocupação, visto que a camada mais baixa do mundo da bola é, muitas vezes, ignorada pela mídia e veículos de comunicação.

A verdade é que um país desigual como o Brasil vive essa realidade também no ambiente futebolístico.

Enquanto os clubes da Série A do Brasileirão chegam a pagar R$ 2 milhões mensais a um jogador, a imensa maioria de futebolistas devem sobreviver com salários infinitamente mais baixos.

Para se ter uma noção, de acordo com Estudo da Universidade do Futebol de 2021, 55% dos jogadores brasileiros recebem até 1 salário mínimo como remuneração (R$ 1,1 mil à época – aproximadamente €207). Este valor inviabiliza a sobrevivência do cidadão brasileiro, quem dirá quando este é o salário familiar.

Ademais, os salários milionários oferecidos pelos clubes da Série A tem um efeito pujante sobre a média salarial, que fica na casa dos R$ 8,4 mil, entre os cerca de 11 mil atletas profissionais com registro em carteira de trabalho.

Mas quais são as razões para que isto aconteça?

O futebol brasileiro é muito pouco democrático. Ele está dividido entre as Federações Estaduais e a entidade máxima da modalidade, a CBF.

As entidades estudais são responsáveis pelos torneios de início de ano, nos quais equipes de um mesmo estado disputam entre si o título de campeão. Geralmente, costumam ter duração máxima de apenas três meses, não mais que isso, com raras exceções, como a Copa Paulista, que ocorre no estado de São Paulo depois do término do campeonato paulista.

A CBF, por sua vez, organiza os torneios de cunho nacional, sendo o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil.

O Campeonato Brasileiro é separado em quatro divisões, indo da Série A, elite do futebol nacional, à Série D.

A Série D, aos olhos de muitos desavisados, parece ser um campeonato sem expressão. Contudo, não sabem a dificuldade das equipes em sequer conseguir espaço em competições nacionais.

Os clubes estão aptos a jogar a Série D dependendo de sua classificação nos campeonatos e copas estaduais, disputados no início do ano. Portanto, caso a equipe não faça um bom campeonato estadual, estará fadada a passar o resto do ano sem calendário. Sem jogos, como poderão arcar com seus compromissos? Seja o pagamento de um salário digno aos atletas, contas de água, luz, alugueis, pessoal, etc.

A Copa do Brasil, por sua vez, conta com 92 equipes de todos os estados brasileiros. Entretanto, cede a possibilidade de clubes pequenos jogarem no máximo 3 jogos, na maioria das vezes. Isto porque é impossível para clubes de menores expressão baterem de frente com os ditos “grandes” do Brasil, sobretudo depois da inserção dos times que se classificaram para a Libertadores, nas oitavas de final.

Em outros tempos, times como o Juventude, Criciúma, Santo André e Paulista de Jundiaí chegaram a levantar o caneco, mas atualmente, com a disparidade financeira, que desencadeia uma diferença técnica abismal entre as equipes, fez com que as “zebras” sejam cada vez menos recorrentes.

Desta forma, por futebol profissional, no Brasil, entende-se como clubes que estão aptos a disputar competições no âmbito estadual e nacional, desde que organizadas pelas federações e CBF, respectivamente.

Ademais, o caminho para o futebol profissional é uma via de apenas duas mãos.

O atleta pode se tornar jogador profissional do dia para a noite. Pode atuar na várzea e magicamente ser contratado por uma equipe profissional (exemplos como Fred e Leandro Damião).

A outra alternativa, que é a mais popular, começa com o atleta, desde muito jovem, integrando as categorias de base de um determinado clube. À medida que vai envelhecendo, sobe de categoria, até ultrapassar os 20 anos, quando se encerra o futebol de base.

Neste momento, ou o jogador se torna um profissional, assinando contrato com algum clube que se encaixe no enquadramento ora mencionado, ou deverá procurar outra profissão.

Este sistema é um verdadeiro moedor de seres humanos, haja vista que em um país como o Brasil, que conta com uma parcela significante de pessoas pobres, estes jovens veem o futebol a possibilidade de mudar não apenas sua vida, mas também de sua família e todos aqueles à sua volta.

Portanto, um jovem que chega aos 20 anos de idade e não encontra a chance de se tornar um jogador profissional, se verá com poucas alternativas, já que provavelmente terá negligenciado os estudos ao longo de sua adolescência.

Soluções devem ser encontradas.

Baiano Ednaldo Rodrigues é eleito novo presidente da CBF: 'uma nova jornada'

Imagem: CBF

Na Itália

Já no Velho Continente, tendo como exemplo a Itália, o modo organizacional do futebol é diverso.

A FIGC (Federazione Italiana Giuoco Calcio), toma para si a responsabilidade de organizar campeonatos de âmbito regional (já que a Itália não é dividida em estados, mas sim em regiões) e nacional.

Claramente, se comparada ao Brasil, a Itália tem uma superioridade factível, que é seu espaço geográfico e populacional. Com dimensões muito inferiores ao Brasil, tem maior facilidade organizacional.

De todo modo, há uma divisão muito clara entre o futebol profissional e amador, de forma que ambos estão sob o guarda-chuva da FIGC.

O setor juvenil, que seria equiparado às categorias de base brasileiras, tem início no sub14 e vão ao chamado juniores, de jogadores de 18 à 20 anos.

Entretanto, este não necessariamente é o fim da linha para os jovens italianos. Podem, sim, assinar um contrato profissional com os grandes clubes da Série A, embora outros caminhos possam ser seguidos.

O fato da FIGC controlar tanto o futebol amador quanto o futebol profissional, faz com que estes sistemas sejam escaláveis e que produzam uma sinergia maior, sem contar a parte de definição de papéis, que é preponderante.

Depois do setor juvenil e de juniores, numa escala de grandeza, vemos os ditos “Dilettanti”, que seria considerado o futebol amador, dividido nas seguintes categorias:

Amador:

  • 3a Categoria
  • 2a Categoria
  • 1a Categoria
  • Promozione
  • Eccellenza
  • Serie D

Sim, ao contrário do Brasil, a Serie D italiana é considerada amadora.

Outro ponto interessante. Um dos fatores primordiais para aquela que é considerada a arbitragem mais tradicional do futebol, os árbitros italianos devem passar de categoria em categoria até chegar à Série A, submetendo-se a avaliações frequentes de observadores da F.I.G.C através do italiano Associação de Árbitros.

Apenas deste modo, podem ser promovidos de categoria, se o fizerem dentro de um determinado prazo e com avaliações positivas.

Profissional

  • Serie C
  • Serie B
  • Serie A

Desta forma, podemos observar uma diferença clara entre o futebol amador e profissional. Embora ambos estavam organizados e sob responsabilidade da federação italiana, o que eleva o nível de competitividade, bem como dá chance real para que os atletas possam conciliar a tentativa de seguir com o futebol e uma atividade laboral complementar.

Pontos a serem observados pela CBF.

Gabriele Gravina a “Storie”: ho inseguito il mio sogno, dai campi di terra alla Figc - Abruzzo - Il Centro

Imagem: Il Centro

A Várzea Brasileira

No Brasil, a Várzea é sinônimo de futebol amador.

Mas afinal de contas, o que é o futebol de várzea?

Várzea, na acepção da palavra, significa um terreno longo e plano. Em terras canarinhas, tais terrenos são usados pela comunidade local como campo futebol.

Ali, os moradores da região, por conta própria, organizam suas equipes e disputam campeonatos entre si, sem qualquer regulamentação das entidades de futebol brasileiras.

A várzea é mais que isso. Várzea é o sentimento de representar sua quebrada, e movimenta multidões por onde passa.

Nos últimos anos, os campeonatos de várzea, por iniciativa dos organizadores e interesse econômico de anunciantes, passou a ter uma formatação semelhante ao profissional.

Separada em divisões, sobretudo na Grande São Paulo, times conseguem angariar recursos e pagar atletas, muitas vezes profissionais aposentados, por meio de patrocínio, premiações e apoio dos torcedores.

Exemplo disso são a Copa Pioneer, Copa Kaiser e Taça das Favelas.

Jogadores como Pará, ex lateral direito que chegou a ser campeão da Copa Libertadores pelo Santos; O volante Christian, ex Corinthians campeão paulista e da Copa do Brasil; Jaílson, ex goleiro titular do Palmeiras campeão do Brasileirão; e tantos outros.

Com festa e sem brigas: organizado, futebol de várzea reduz a violência - Esportes - R7 Futebol

Imagem: Edu Garcia/R7

Apelo à CBF

Este artigo tem a intenção clara de demonstrar que o sistema brasileiro de futebol está longe de ser o ideal.

De modo que, aquilo que é veiculado pela grande mídia, apresenta apenas a ponta da superfície da máquina futebolística no país.

A CBF, como entidade máxima da categoria, deveria se ocupar mais com projetos e meios para que os jogadores profissionais e amadores, bem como os clubes, tenham a oportunidade de disputar o esporte mais popular do mundo de forma digna.

Isto passa por gerar uma capilaridade maior dos campeonatos nacionais, dando palco e incentivo para que os atletas não passem três meses jogando e os outros nove procurando um trabalho para dar sustento à sua família.

Uma alternativa, levando em conta as dimensões continentais do Brasil, seria criar campeonato regionalizados. Por exemplo, disputa entre times nordestinos, nortistas, sudestinos, sulistas e centro-oestino, entre si.

Meios econômicos não faltam, já que a entidade teve um superávit acumulado de R$ 143 milhões (cerca de €27 milhões), de acordo com o balanço de 2023.

Um outro bom caminho seria promover, organizar e patrocinar campeonatos amadores, com apoio das lideranças da várzea, de maneira a estruturar o segmento do futebol amador no Brasil, que é inexistente no âmbito institucional.

Ainda, dar maior suporte para o futebol nacional, possibilitar uma maior democratização, salários dignos e integração com as federações, seja no setor de jogadores, seja nos agentes de arbitragem.

A verdade é que, quem ganhará com isso é o futebol brasileiro; aqueles que são protagonistas da atividade, bem como os que são apaixonados por ela.

Acredita que estas medidas possam ser benéficas para o Brasil?

Jogos de futebol de várzea ganham lives nas redes das mídias comunitárias - 22/07/2022 - UOL TILT

Imagem: Thais Siqueira

Siga-nos nas redes sociais para ficar por dentro das novidades do futebol estrangeiroInstagramFacebookX.

Escrito por Vitor F L Miller.

Artigos Mais Recentes
Tags: Exclusivos

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir